Tag Archives: consciência nos negócios

Um comprometimento que vai dobrar o seu valor no mercado.

24 jun

 Texto traduzido de Fred Kofman. Artigo original no link: http://ow.ly/mluqr  

Imagem

Porque você se amarraria a um mastro?

Odysseus se amarrou para resistir ao canto das sereias que poderia levá-lo para o mau caminho.

Na sua carreira permanecer no curso não é uma questão de vida ou morte, mas de quanto os seus serviços são valorizados.

O mastro é a sua integridade. As cordas são o seu comprometimento de honrar a sua palavra incondicionalmente.

Sem Desculpas, Sem Surpresas.

”Incondicional” significa “sem desculpas”; você vai fazer alguma coisa custe o que custar.

Com relação a compromissos, entretanto, “incondicional” não significa que você vai entregar custe o que custar. Ao invés disso, o que incondicional é a sua integridade. “Integridade” significa que sua palavra é sua obrigação. Você dá a sua palavra sinceramente, você a cumpre consistentemente e você cuida do seu interlocutor impecavelmente – especialmente se você não vai conseguir entregar o que foi combinado. Este último item é o aspecto incondicional da sua integridade. Por nunca descumprir a sua palavra você nunca vai surpreender negativamente o seu interlocutor.

Como eu expliquei neste artigo (em inglês) para fazer uma promessa sincera você precisa ter a intenção de entregar o que está sendo combinado. E você pode apenas fazer isso se você:

  1. entende o pedido (expectativas, condições e tempo)
  2. tem um plano robusto (planejou as etapas, previu as contingências etc.)
  3. tem as habilidades e recursos necessários para entregar o combinado.  

Durante a execução do plano você precisa monitorar o progresso para avisar seu interlocutor caso as coisas saírem do trilho. Neste caso você deve avisá-lo(a) imediatamente, pedir desculpas e explicar o que aconteceu. Em seguida você precisa perguntar quais as consequências negativas desta “não entrega” e o que você pode fazer para ajudar a minimizá-las. Finalmente, você precisa fazer um novo compromisso para reparar os danos que você causou.

Quanto você vale?

Valor não é uma qualidade objetiva. Valor é uma opinião subjetiva tida por alguém que considera usar alguma coisa para atingir suas metas. (leia este artigo – em inglês – para uma explicação completa).

No mercado o seu valor não é algo intrínseco a você. Seus serviços são commodities. Potenciais compradores – isto é empregadores e clientes – vão avaliar o seu valor de acordo com o que eles acreditam sobre quão útil você pode ser para que eles alcancem seus objetivos.

Eles não podem “usar” você como eles usam um recurso material. Você é consciente e por isso tem livre arbítrio. Você faz por eles o que você escolhe fazer, então eles não vão se beneficiar das suas competências a não ser que você se comprometa a dar suporte a eles.

Consequentemente, eles não vão acreditar que eles vão se beneficiar das suas competências a não ser que eles acreditem que você vai se comprometer com os objetivos deles. E se eles não acreditarem que você vai fazer isso, então não importa o quão habilidoso você é, você vai parecer sem valor para eles.

Por isto integridade é tão importante. Integridade é o que faz você confiável, e consequentemente, valioso. Sem integridade você não é confiável, por isso não tem valor.

Ainda assim a maioria das pessoas desvalorizam sua própria integridade. Em um estudo pesquisadores constataram que “manter a promessa não tem importância no local de trabalho; que as pessoas constantemente ignoram as suas promessas; e mais, “manter as promessas” está no último lugar do ranking na hierarquia de valores das empresas. Em média menos de um terço das pessoas cumprem a sua palavra.”

O caminho para o inferno

Muitas pessoas fazem promessas com boas intenções, mas quando elas tem algum problema, elas traem a sua integridade tentadas por cantos da sereia como:

  • Estou em uma crise; preciso deixar de entregar alguma coisa.
  • Talvez eu ainda consiga entregar; não tem necessidade de chateá-lo(a).
  • Eu estarei lá em 5 minutos; ninguém vai notar que eu estou atrasado(a).
  • Isso é uma coisa sem importância; ela não vai se importar.
  • Estou muito ocupado para lidar com a raiva dele; preciso focar no trabalho.
  • Eu tenho uma boa razão; isso saiu do meu controle.
  • Ele não pode reclamar; ele já quebrou promessas comigo antes.
  • Eu não quero fazer um rebuliço; Eu vou parecer neurótico.
  • Ele vai demandar muito; melhor não perguntar o que ele precisa.
  • Eu sempre entrego; um erro não vai ser grandes coisas.
  • Qual é o ponto? Eu não posso manter a promessa de qualquer jeito.

Você já ouviu cantos da sereia parecidos na sua mente?

Se você seguí-los você sabe que eles vão levá-lo(a) para a perdição: você vai trair você mesmo, você vai trair o seu interlocutor e você vai trair todos que confiam nos resultados da sua coordenação.

No entanto você sabe que a sua chamada é quase irresistível. Quando você mais precisa ficar fiel a sua palavra é quando você menos quer fazer isso. E por uma ótima razão: você não quer ser inconveniente!

Não cumprir os seus compromissos parecem ser o mais eficiente curso de ação no curto prazo. É por isso que tantas pessoas agem assim, mas isto é um grande erro se você não vai ser bem sucedido no longo prazo. Nada o torna mais valioso que sua reputação pela sua integridade.

É por isso que você deve se amarrar ao mastro.

 “Confiança é a lubrificação que torna possível às organizações trabalharem. Uma organização sem confiança é um equívoco, uma criatura fraca da imaginação de Kafka” — Warren Bennis

Você já sofreu por causa de uma empresa/pessoa não confiável que não cumpriu suas promessas sem sequer se desculpar ou minimizar as consequências? Quanto a mais você estaria disposto(a) a pagar por alguém que cumprisse sua palavra e se comportasse com comprometimento incondicional?

Um forte abraço e uma ótima semana!

 

Seus valores e virtudes te fazem próspero e feliz?

31 ago

Acabei de ler o livro Atlas Shrugged (A Revolta de Atlas) de Ayn Rand e tive uma série de insights sobre que escolhas podem ajudar a criar liberdade e felicidade em alinhamento com propósito de vida, paixão e lucros. Apesar de ter sido publicado em 1957, na minha opinião, a história encaixa-se perfeitamente nos dias de hoje.

Na mitologia grega o Titã Atlas recebe de Zeus o castigo de carregar o mundo nas costas. Esta é uma metáfora utilizada por Ayn Rand que descreve um cenário desolador em que a intervenção estatal se sobrepõe a qualquer iniciativa privada de reerguer a economia.

A autora divide o mundo em dois grandes grupos: aqueles que produzem riqueza (produtores) e aqueles que vivem das riquezas geradas por outras pessoas (saqueadores). Cansados de carregar o mundo nas costas e conscientes de quanto mais riqueza, mais saqueadores existirão, os produtores – principais líderes da indústria, empresários, filósofos e cientistas – começam a sumir sem deixar pistas e a economia entra em colapso.

Abaixo compartilho alguns insights com o objetivo de adicionar mais um ponto de vista sobre as escolhas que você tem feito em busca da sua felicidade e liberdade:

  • Algumas pessoas escolhem produzir algo de valor para outras pessoas e se tornam “produtores”. Eles decidem seguir um caminho de integridade alinhado com seus valores, assumem responsabilidade por suas escolhas, enfrentam os desafios aprendendo com os erros, buscam melhorar suas fraquezas ao invés de querer “sair bem na foto”, tem amor próprio e não se preocupam com o que os outros vão achar, são corajosos, estão preparados para as oportunidades, apreciam e valorizam a riqueza material pois é parte da conquista de seu próprio trabalho;
  • Outros escolhem não criar a própria riqueza e vivem para explorar a riqueza gerada pelas outras pessoas, tornando-se “saqueadores”. Utilizam argumentos baseados em mitos para cobrar impostos/tributos ou se escondem sob diversos pretextos para pedir ajuda, caridade e esmolas. São a antítese das idéias e escolhas dos produtores;
  • A justiça é vista como um comércio sem segundas intenções ou agendas escondidas: eu te dou algo de valor e você me dá algo de valor em troca. Isto é aplicado não só aos negócios, mas também nos relacionamentos afetivos: as pessoas que tem seu próprio “motor” são admirados e valorizados pelo seu parceiro(a). Um relacionamento afetivo está baseado nos valores e virtudes de ambas as partes para uma relação próspera em todos os sentidos;
  • Os valores de integridade, racionalidade, honestidade, justiça, independência, produtividade e orgulho embasam o juramento dos direitos individuais em busca da felicidade e direito a propriedade criada pelos esforços individuais: “Eu jamais viverei por outro homem, nem pedirei a outro homem que viva por mim”;
  • Caridade é ajudar aqueles que merecem (que estão se esforçando para produzir algo de valor) a realizarem seus objetivos. Ajudar os que não se esforçam, que escolhem não aprender, que não tentam produzir algo de valor para a sociedade, aqueles que vivem para “saquear” as pessoas que produzem é a pior forma de sabotar o aprendizado e crescimento destes. Dar droga a um viciado é amor?
  • Independência é o reconhecimento do fato de que a responsabilidade de discernir é sua. Nada pode ajudá-lo a se esquivar dessa responsabilidade de que nenhum substituto pode pensar por você; de que nenhum substituto pode viver a sua vida; de que a forma mais vil de autodegradação e autodestruição é subordinar a sua mente a de outro; aceitar uma autoridade sobre seu cérebro; aceitar as afirmações de outros como fatos, suas opiniões como verdades; seus decretos como intermediário entre sua consciência e sua existência.

A seguir compartilho a entrevista de Ayn Rand sobre o livro e sobre sua visão dos direitos individuais, liberdade e a busca da felicidade. Achei muito interessante e provocativa! Assista e compartilhe sua opinião.

Parte 1

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Parte 2

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Parte 3

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Forte abraço e sucesso!

Clique aqui para se cadastrar e receber novos artigos por e-mail ou siga-me no twitter.

Aprendendo a inovar.

25 maio

Hoje eu quero compartilhar um assunto que considero ser a chave para a inovação nas organizações e em suas vidas pessoais: aprender a ser humilde o suficiente para ouvir e respeitar outros pontos de vista.

As pessoas vêem o mundo de formas diferentes. A maneira como você lida com isso vai definir se você é um “aprendiz” ou um “controlador”.  Os controladores dizem que sabem como as coisas são, como deveriam ser e o que precisa ser feito. Dão muitas ordens e fazem poucas perguntas. Aprendizes são curiosos e humildes, não tem tanta certeza na interpretação do que está acontecendo e o que deva ser feito. São mais inquisidores do que mandões e tentam levar em consideração os pontos de vista alheios ao invés de impor o seu único ponto de vista.

Os controladores sustentam sua auto estima acreditando que sempre estão certos. Sentem-se satisfeitos quando conseguem eliminar todos os pontos de vista contrários e todos passam a concordar com eles. Acreditam que as coisas são como eles as vêem e qualquer outra interpretação está errada. Um caso típico de “arrogância ontológica” (ontologia é o ramo da filosofia que estuda a natureza da realidade, o que é inerente a todos e a cada um dos seres).

Os aprendizes sustentam sua auto-estima no fato de permanecerem abertos, convidando todos  a compartilharem suas percepções dentro de um espírito de aprendizado mútuo. Acreditam que vêem as coisas da forma como lhes parece e que essa visão é apenas parte de um todo muito mais amplo. Estes exemplos são o oposto da arrogância, a “humildade ontológica”.

Uma pessoa humilde não se vê acima das outras e não aparenta estar em posição privilegiada.  A humildade ontológica é o reconhecimento que a sua visão da realidade ou da verdade não tem nada de especial e faz parte de um modelo mais amplo de aprendizagem.

As conseqüências finais deste modelo de aprendizagem são o sonho de qualquer liderança: eficácia, flexibilidade, inovação, alta qualidade, grande lucratividade, baixos custos, baixa rotatividade de funcionários, melhoria contínua, crescimento pessoal e profissional.

No entanto, apesar de tantos benefícios este não é o modelo padrão de nossa sociedade. Vivemos em uma cultura arrogante onde a maioria de nós busca um modelo de controle unilateral. Desde os tempos de bebê você foi condicionado a ter mérito apenas quando vence, a evitar embaraços e a provar que está certo. Se falhar se sentirá um fracassado. Você percebe o erro como “culpa” e não  “um aprendizado para melhorar sua habilidade de dar respostas aos desafios”.

Desenvolver esta nova habilidade não é simples e requer muita prática.  É preciso que você aprenda a expressar seus pontos de vista e acolher as opiniões alheias com honestidade, respeito e humildade. O grande desafio não é desenvolver humildade não só com outros aprendizes, mas também com o grande número de controladores unilaterais que o cercam.

Como é possível se expressar com humildade ontológica sem ser massacrado pelos demais?  Como ser assertivo em relação ao que você pensa sem massacrar os que pensam de forma diferente?

O Primeiro passo é trazer isto para a luz de sua consciência, ficar alerta sobre sua forma de agir e buscar explorar mais sobre este assunto. Não existe receita de bolo, mas sim metodologia e treinamentos específicos para desenvolver esta habilidade.

Se quiser explorar mais sobre este assunto recomendo a leitura do livro Consciência nos Negócios de Fred Kofman.

Forte abraço!

Clique aqui para se cadastrar e receber novos artigos por e-mail ou siga-me no twitter.

%d blogueiros gostam disto: