Tag Archives: responsabilidade pelas escolhas

Como encarar os desafios da vida?

12 jul

Recentemente li o livro “Man’s search for meaning” (Em busca de sentido) do psiquiatra austríaco Viktor Frankl, sobrevivente do campo de concentração nazista de Auschwitz na Segunda Guerra Mundial.  Quero compartilhar algumas idéias sobre este livro, pois acredito que pode fazer a diferença na forma de encararmos os desafios da vida

A Idéia de Dr. Frankl foi compartilhar com as pessoas o que podemos aprender quando a mente humana é submetida a condições extremas de dor e sofrimento. A mensagem do livro é que devemos dizer “sim” a vida, pois ela mantém um significado potencial sob qualquer condição, mesmo a mais miserável.

A fórmula matemática para encarar os desafios da vida pode ser traduzida da seguinte forma:

Desespero = SofrimentoSignificado

As pessoas que encontram um significado mediante os desafios a que são submetidos tem uma enorme capacidade de criar força, coragem e resiliência.

Quero propor um rápido exercício de reflexão:

  1. Pense em um grande líder da humanidade ou alguém de sua vida pessoal que você tem grande admiração. Pare um minuto para fazer isso. Acredito que vale a pena!
  2. Que qualidade(s) você admira nesta pessoa? Coragem? Compaixão? Disciplina? Resiliência? Coloque sua atenção nesta pessoa para perceber o que é exatamente.
  3. Do que esta pessoa precisou para demonstrar tal(is) qualidade(s)? De uma vida calma e pacata ou grandes desafios ?
  4. Você acredita que ela encontrou um significado maior ao lidar com estes desafios? Ela compartilhou os aprendizados para ajudar e inspirar outras pessoas?

Quando as pessoas não ficam conscientes do que estão aprendendo, não percebem que habilidades precisam desenvolver para encarar os desafios ou perdem a esperança em encontrar um significado maior na situação que estão enfrentando, ficam mais suscetíveis a doenças e podem até pensar em tirar a própria vida.

Dr. Frankl afirma que tudo pode ser tirado de uma pessoa, menos uma coisa: a última instância da liberdade humana – escolher a sua atitude em qualquer situação. Por tudo isto, se você está enfrentando desafios em sua vida pessoal ou profissional tente ficar consciente de suas escolhas e responda para si mesmo:

  1. O que estou aprendendo?
  2. Que habilidades preciso desenvolver para lidar com esta situação? Vou sentir que sou uma pessoa melhor quando tiver feito isso?
  3. Como posso fazer disto uma forma de amenizar o sofrimento de outras pessoas?

Abaixo compartilho uma entrevista de Viktor Frankl (legendado) para quem quiser explorar um pouco mais.

Parte I

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Parte II

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Forte abraço e sucesso!

Clique aqui para se cadastrar e receber novos artigos por e-mail ou siga-me no twitter.

Anúncios

Em todo beco sem saída existe uma passagem secreta!

18 jan

Você sabe reconhecer a diferença entre “ouvir um canto de sereia para abandonar um sonho” e “fazer um desvio para ganhar fôlego”? Como saber quando ser flexível para reconhecer oportunidades e quando manter o foco em um só objetivo e lutar até o fim?

Tudo começa quando você se questiona sobre as escolhas que tem feito na vida e inicia uma exploração para descobrir “o que você realmente quer”. Neste processo, naturalmente, você pára de seguir os sonhos de outras pessoas e começa a explorar sua própria consciência em busca das suas respostas.

O próximo passo é explorar e descobrir que valores estão embasando esta nova meta (p.ex. felicidade, prosperidade, segurança, liberdade, reconhecimento, paz, serviço ao outro etc.) para começar a sua maravilhosa jornada. Não basta só atingir a meta: além de curtir a jornada, você tem que ser feliz quando chegar lá!

Em seguida você precisa aprender a montar um planejamento para alinhar sua vida pessoal e profissional com este novo objetivo e começar a agir em direção a ele. Pequenas ações todos os dias fazem o trem da sua vida começar uma curva suave em direção da meta que você quer atingir. É um trajeto gostoso, com muitos sonhos e desafios e uma emoção permanente a cada escolha.

Apenas tome cuidado com escolhas que façam curvas acentuadas! Investigue, aprofunde, perceba o impacto nas várias áreas da sua vida, nos seus valores. Uma curva de 90 graus pode descarrilar o seu trem!

Ao longo da jornada você poderá fazer escolhas que te levem, aparentemente, a becos sem saída. Estas são oportunidades que podem ser interpretadas, basicamente, com dois pontos de vista: o da vítima ou do protagonista.

O ponto de vista da vítima é o caminho das justificativas: você provavelmente vai sentir uma sensação de fracasso, vai tentar culpar alguém e sentir raiva por estar nesta situação. A raiva cria uma falsa sensação de alívio, mas com o passar do tempo, só resulta em mágoas e ressentimentos. Você se sente impotente para fazer as mudanças que precisa para colocar sua vida de volta nos trilhos.

O ponto de vista do protagonista é onde você aprende e supera o desafio. É o momento de se fazer as seguintes perguntas:

  1. O que eu posso aprender com isso? Esta exploração vai te ajudar a reduzir as chances que esta situação se repita.
  2. Que recursos eu deixei de utilizar? É hora de ser honesto consigo mesmo(a) e saber quanto da sua capacidade de trabalho, relacionamentos, aprendizagem, tempo etc. você realmente investiu. No que você pode melhorar?
  3. Que pistas eu ignorei? Aqui você pode descobrir sensações, crenças, padrões, hábitos e atitudes que podem estar sabotando seu comprometimento pessoal. Estar alerta é fundamental!

Se você optar por explorar estas situações em busca de aprendizado, responsabilidade pessoal e flexibilidade, além de reduzir as chances que elas se repitam, você certamente encontrará uma saída. Acredite: quando você assume responsabilidade por suas escolhas, em todo beco sem saída existe uma passagem secreta!

Forte abraço e ótima semana a todos!

Clique aqui para se cadastrar e receber novos artigos por e-mail ou siga-me no twitter.

Os benefícios de ser responsável por suas escolhas.

8 set

Se você realmente quer criar um alinhamento de pensamento, palavra e ação para uma grande mudança, este tema pode ser um divisor de águas na sua vida!

Acabei de ler um livro sensacional chamado “Consciência nos Negócios” de Fred Kofman e quero compartilhar alguns pontos de vista sobre a importância das escolhas que fazemos em nossas vidas. Espero que inspire você a compartilhar sua opinião para que possamos aprender juntos.

De forma muito alinhada com o que já temos compartilhado neste blog, segundo Kofman, o primeiro passo é mergulhar no autoconhecimento para descobrir quem somos, porque estamos aqui e quais são os resultados das escolhas que temos feito em nossas vidas.

Em seguida precisamos desenvolver habilidades para perceber como interagimos (corpo, mente e espírito) com as outras pessoas e com o universo físico (consciência coletiva). Apesar do enfoque corporativo deste livro, vou adicionar pontos de vista como facilitador de cursos de despertar da consciência (Avatar) e abordar este tema de forma mais ampla.

Reunindo alguns conhecimentos e práticas nesta área, percebo que a interação entre estes três universos (Eu, Nós e Consciência Coletiva) poderia ser ilustrada da seguinte forma:

Nesta interação não existe borda ou separação, mas sim uma unicidade com um todo maior que permeia o universo do Eu, das pessoas (Nós) e reflete diretamente na consciência coletiva do mundo.

Nossas crenças fundamentais sobre nós mesmos, relacionamentos, trabalho, família, dinheiro etc criam uma matriz em nossa consciência que é a base para nossas escolhas. Como conseqüência destas escolhas, vamos criando e compartilhando as experiências ao longo de nossas vidas.

Segundo o autor do Curso Avatar, Harry Palmer, em seu best seller “Vivendo Deliberadamente”: “Tal como adicionar uma única gota ao oceano causa mudanças microscópicas no volume, temperatura e correntes, sempre que um indivíduo muda sua crença, muda a matriz pelo qual a realidade coletiva se desenvolve. Mesmo para o mais isolado indivíduo, cada momento de felicidade, cada momento de tristeza, cada gentileza, cada pensamento crítico adiciona sua conseqüência na matriz para os eventos do mundo”.

Além de um mapeamento profundo de nossas crenças e o desenvolvimento de habilidades para descriar aquelas que não são úteis em nossas vidas, algumas premissas podem ser adotadas como uma base sólida para nossa matriz de crenças.

Palmer destaca três caminhos para nortear nossas escolhas na vida: responsabilidade pessoal, compaixão e serviço aos outros.

Kofman, com uma abordagem corporativa, fala em sete pilares fundamentais: responsabilidade incondicional, integridade essencial, humildade ontológica, comunicação autêntica, negociação construtiva, coordenação impecável, competência emocional. Após o desenvolvimento destas habilidades ele fecha o livro falando sobre serviço ao outro.

Destacando a premissa de responsabilidade pessoal, precisamos estar conscientes que, independente de qualquer situação externa, somos totalmente responsáveis por nossas escolhas. É um sistema fechado que quando compreendido com a “consciência do coração” e praticado no dia a dia, torna-se a rede de segurança para fazermos nossas escolhas na vida.

Apesar de toda a doutrinação, que nos faz ter medo de errar e negar a responsabilidade pessoal em troca de um sistema de recompensa versus punição, este é um caminho libertador. Quando somos protagonistas de nossas histórias temos o poder de criar as mudanças que precisamos em nossas vidas. Quando assumimos responsabilidade e percebemos que fazemos parte do problema podemos nos tornar parte da solução!

“Nós que já vivemos em campos de concentração, podemos nos lembrar dos homens que caminharam por entre os abrigos confortando os demais, oferecendo a outro seu último pedaço de pão. Pode ser que tenham sido poucos, em termos numéricos, mas nos dão prova suficiente de que tudo poderá ser retirado de um homem, menos uma coisa: a última das liberdades humanas. Escolher a atitude a tomar em qualquer conjunto de circunstâncias – a escolha de seu próprio caminho! É esta liberdade espiritual – que jamais poderá ser eliminada – que dá sentido a própria vida. – Viktor Frankl

Em uma de suas palestras Fred dá um exemplo sensacional: a sua vida pode ser representada por um avião e você é o piloto! Se você está voando e a turbina pega fogo, de quem é o problema?! Da manutenção que não fez o trabalho corretamente ou seu que está lá em cima no comando? Se você está sofrendo por qualquer motivo, você precisa assumir responsabilidade por isso, perceber que o problema é seu e você que vai ter que resolvê-lo! Ficar culpando o “pessoal da manutenção” não vai te ajudar a pilotar o seu avião com defeito em pleno vôo.

Fred destaca em seu livro algumas perguntas que nos ajudam a sair da condição de vítima e passar a assumir responsabilidade e ser protagonista de nossas histórias:

As perguntas que podem ser feitas para trazer à tona a história de vítima são:

  1. O que aconteceu com você?
  2. Quem o prejudicou?
  3. O que estava errado (ou foi injusto) no que ele fez com você?
  4. Por que ele fez isso com você?
  5. O que ele deveria ter feito, em vez disso?
  6. O que ele deveria fazer agora para reparar o dano?
  7. Qual deve ser a punição dele?

Este é um falso alívio: como uma droga que faz você se sentir bem por alguns instantes. O resultado são mágoas, ressentimentos e a sensação de ter aprisionado sua própria alma. Nesta situação você se sente como um pobre “refém inocente” mas que não tem poder para dirigir as mudanças na sua vida.

As perguntas que podem ser feitas para trazer à tona a história de protagonista são:

  1. Qual foi o desafio que você enfrentou?
  2. Como você contribuiu (agindo ou não agindo) para criar esta situação?
  3. Como você respondeu ao desafio?
  4. Você poderia imaginar uma linha de ação mais eficaz do que a que foi adotada?
  5. Você poderia ter se preparado de modo razoavelmente eficaz para reduzir o risco ou impacto desta situação?
  6. Você poderia fazer alguma coisa neste momento para minimizar ou reparar os danos?
  7. O que você pode aprender com esta experiência?

Agindo desta maneira você retoma o controle e sente um grande poder pessoal para dirigir as mudanças em sua vida. É uma sensação de liberdade e um farol que vai te ajudar a criar paz na consciência e encontrar o caminho para a felicidade interior.

Para finalizar gostaria de compartilhar alguns vídeos se você quiser aprofundar:

O primeiro deles é o vídeo “Managing Change” de Harry Palmer que está disponível pela Internet somente em Inglês.

Nesta entrevista sobre seu livro “Consciência nos Negócios”, em espanhol, Fred Kofman dá uma visão geral sobre seu trabalho.

E, por último gostaria de recomendar a leitura dos livros “Vivendo Deliberadamente” (Harry Palmer) e “Consciência nos Negócios” (Fred Kofman) que é uma abordagem muito interessante para começar um processo de mudança em sua vida pessoal e profissional.

Forte abraço e ótima semana a todos!

Clique aqui para se cadastrar e receber novos artigos por e-mail ou siga-me no twitter.

%d blogueiros gostam disto: